Batman – Novos 52: Novas visões em uma mesma essência
05/07/2016
RafaTanaka (732 artigos)
0 comentários
Compartilhar

Batman – Novos 52: Novas visões em uma mesma essência

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Batman não é um dos meus personagens preferido, mas é claro que como leitor de quadrinhos conferi alguns de seus maiores arcos, como Ano Um, A Piada Mortal e sem dúvida o Cavaleiro das Trevas. Nunca foi um personagem difícil de se conhecer já que foi transmitido com ênfase para várias mídias. Todos conhecem sua história e a grande maioria é fã de carteirinha sem nem ao menos ter lido nada.

Com os Novos 52, a oportunidade para conhecer ainda mais do Morcegão estava simples, ele e o Lanterna Verde foram uns dos poucos que não foram afetados pelo reboot e não tiveram seus quadrinhos zerados, então pode esquecer a origem sendo contado de novo. Afinal, Batman sempre teve bons resultados de vendas para a DC, porque ela ia querer mudar?

Escrito por Scott Snyder (não, ele não é irmão do outro) e com a excelente arte de Greg Cappulo, aqui temos histórias concretas e que trazem uma repaginação para o personagem. Nos primeiros volumes somos apresentados a Corte das Corujas, uma ordem de pessoas influentes que pareciam ser os responsáveis por todos os maiores acontecimentos de Gotham, até antes escondidos e vivendo nas sombras, eles sabiam que Bruce Wayne era o Batman. O resultado foi uma trama cheia de suspense e vários fatos ligados a família Wayne, cicatrizes que perseguiam o passado de Bruce.

Scott Snyder ainda surpreende em outros arcos, como um revisitação para A Morte de Família, um Coringa deixou de ser apenas louco e virou um maníaco homicida,  este começa a repetir todos seus maiores crimes, desde capturar membros da famílias Batman até visitar lugares antigos de suas histórias com o Morcego. Não é tão inovador na maioria dos volumes consegue manter seu carisma.

Agora dois arcos que impressioram foram Ano Zero e Fim de Jogo, em um temos Charada  dominando inteiramente Gotham, praticamente virou o rei da cidade depois de invadir todos os sistemas de computadores, o interessante é o título traz margem há um ano em que um Bruce Wayne ainda nem sabe o que é ser Batman, ele acabou de vestir o capaz e a grandes maiorias de suas ações beiram ao amadorismo, temos uma pessoa que começa a ter seu lado investigativo transformado aos poucos quando a dúvida de todos chega à tona. A outra é focado em Coringa, sim mais uma vez temos o retorno do vilão, o que parecia ser algo óbvio e mais uma história de batalha entre os dois se torna algo psicológico e desafiador, somos apresentados a um ser ou pessoa que é imortal que sempre existiu na história dos tempos que se transformou ao decorrer de sua longa vida.

A conclusão de tudo está em Divergence, depois dos fatos de Fim do Jogo, Bruce Wayne perdeu a memória e tem uma vida pacata ajudando jovens carentes em uma instituição, ele até mesmo se apaixonou porém o Batman precisa de uma nova identidade e o governo decidi implementar o Programa do Batman destinado a trazer de volta a visão de segurança que o morcego proporcionava, o escolhido é sem dúvida Jim Gordon, que outra pessoa seria o Batman? Um policial que sempre esteve do lado de herói  e ainda conhece a cidade suja e prendeu a grande maioria dos criminosos, um defeito é que ele não tem habilidade e muito menos o espírito do significado de que é ser um vigilante devido a funcionar seguindo as regras na grande maioria do tempo.

Batman conseguiu explorar coisas não tão óbvias graças a visão de Scott Snyder e a arte caricata de Greg, que ajudou muito no desenvolvimentos das cenas de ações, porém um defeito de Snyder é que suas histórias não se encerram do jeito que deveriam, ele não sempre ousa muito e termina de forma menos grandiosa do que começou, medo ou até mesmo pressão da editora, para mim ele sofre do mesmo mal de um roteirista que admiro muito, senhor Mark Millar (Guerra Civil), eles tem bons argumentos mas nunca sempre acabam dando um desfecho merecido, mas nada que prejudique totalmente a experiência da leitura.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
4 de 5
No Geral

Batman - Novos 52 é um dos melhores títulos do reboot da DC, tanto para antigos leitores quanto paras os novos, que desejam conhecer ainda mais da mitologia do Morcego, um prato cheio de histórias renovadas e honrando a visão do personagem em uma nova era.

4

Bom
4 de 5
RafaTanaka

RafaTanaka

Diretor de Atendimento/ Planejamento e Redator. Formado em Publicidade e Propaganda. Amante do Cinema, Quadrinhos e Games.

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *