Explicando o suposto fracasso de Lady Gaga – “Artpop” (2013)
17/02/2015
0 comentários
Compartilhar

Explicando o suposto fracasso de Lady Gaga – “Artpop” (2013)

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Você não precisaria ser um fã de Lady Gaga para saber que ela tem estado um pouco apagadinha ultimamente. Isso não significa de maneira nenhuma que ela se encaixa no perfil daqueles artistas que fazem sucesso com alguns singles e depois desaparecem. Lady Gaga pode parecer só mais uma louca que vendeu a alma para o showbiz mas ela é muito mais talentosa para se resumir a isso. Duvida? Assista a essa performance:

E porque raios o “Artpop” não estourou como era esperado? Tivemos alguns singles e clipes no ar mas dessa vez nada de novo, nada de, “olha aquela louca agora está plantando bananeira sem as mãos!”, não, foi tudo bem linear, se levarmos em conta o explosivo álbum anterior “Born This Way”.

E o motivo é simples: “Artpop” não foi feito para ouvintes aleatórios e sim para os fãs de Lady Gaga. Eu, como fã, reconheço que o CD não é nada muito longe do pop convencional mas os lados b desse álbum também não são do tipo que vão tocar em uma festa, porque as letras não são de fácil assimilação, dessas que você cantarola sem sentido. Arrisco dizer que é um álbum conceitual.

No entanto, vale dizer que me incomodou bastante nesse CD o auto tune exagerado, já que, se você viu o vídeo acima, vai concordar comigo, pois ela não precisa disso. É óbvio que o auto tune foi usado intencionalmente e conscientemente, se observarmos que o objetivo do álbum era re-conceituar o termo “Artpop”.

As letras desse álbum falam, em geral, de amor, frustrações relacionadas ao amor, um certo feminismo sutil, ao mesmo tempo que contrasta com a dependência mútua de ambos os sexos, moda e fama. Destaque para o curta, “Artpop”, bem produzido, como sempre, que contém um mashup dos principais singles do álbum:

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Marcadores ArtPop, Lady Gaga
Mah

Mah

Professora de inglês, redatora nas horas vagas, cinéfila, bookworm, jukebox ambulante, gamer, chef de cozinha amadora, geek e caçadora de arte underground/independente. DON'T PANIC!

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *