Sing Street (2016): Sinta e viva os anos 80
26/08/2016
RafaTanaka (732 artigos)
0 comentários
Compartilhar

Sing Street (2016): Sinta e viva os anos 80

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Depois de nos trazer belos e marcantes filmes como Apenas Uma Vez (2009) e Mesmo  Se Nada Não Der Certo (2013), o diretor irlandês John Carney, utiliza a música como contexto para contar histórias que de um jeito ou outro acabam impactando em nossas vidas, porém ele mostra que não é focado apenas no contemporâneo mas sim divido por grandes épocas do mundo.

Sing Street (2016) que participou do Festival de Sundance conta a história de um adolescente, Connor Lawlor (Ferdia Walsh-Peelo), tem sua vida afetada com a separação dos seus pais e a mudança de escola, onde todos os jovens parecem distantes de si, ele conhece a bela Raphina (Lucy Boynton) e em um meio de conquistá-la decide formar uma banda em meio a cultura efervescente dos anos 80.

Engraçado como o diretor já nos havia mostrado o poder que a música pode trazer em nossas vidas em seus filmes anteriores.  A obra desta vez retrata como a fase da adolescência é um tanto que confusa e muitas vezes cheias de dúvidas e o como a música pode criar um lugar seguro e muitas vezes de auto confiança. Aquele potencial que muitas parece estar escondido dentro de nós e merece aquele empurrãozinho, sem esquecer dos dilemas dos personagens e e transparecer como a música pode contar sobre nossos maiores sentimentos.

Ferdia Walsh-Peelo está excelente, não reparamos que este é o primeiro papel em um filme, ele transparece o jeito desajustado de Connor , a ingenuidade da idade, porém com uma mente surpreende e claro que uma atitude aguçada que mesmo apanhando do valentão da escola consegue encontrar forças para falar com o amor da sua vida. Lucy Boyntn que já seu rosto em alguns filmes britânicos mas nunca dei muita importância, aqui mostra para o que veio com sua personagem Raphina, aquela típica garota mais velha que só namora universitários e  que tem o sonho de ser tornar uma modelo, mas que a ouvir as músicas de Connor percebe pela primeira em vez em sua vida sente o verdadeiro e afeto.

Se você como eu ama os anos 80 terá uma trilha sonora com os sucessos da época, ela traz uma recordação de momentos em detalhes para resgatar sentimentos, a famosa memória afetiva.  Mas como sempre o diretor nos mostra tais músicas são apenas aprendizados em uma escolha musical para a cabeça de Connor, este que cria belas peças de letras envolvendo seus sentimentos, com o decorrer do tempo as coisas amadurecem e vão tomando um rumo fantástico em transparência com sua consciência.

Sing Street é uma porta para lindas músicas e sobre o significado dos sentimentos.  A arte que nos lembrar como é bom sonhar e enxergar o de melhor que o cinema pode nos oferecer, aquela bela película que toca nossos corações mostrando que somos capazes de tudo.  Que o sorriso em nossos rostos nunca deve ser apagado e sempre devemos perseguir nossos sonhos e fugir dos paradigmas colocados pela sociedade.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
5 de 5
No Geral

Um dos melhores filmes do ano, uma homenagem aos anos 80, sem falar a grande lição de vida na adolescência. Seja na música ou outro lugares, devemos sempre soltar nossos sentimentos.

5

Excelente
5 de 5
RafaTanaka

RafaTanaka

Diretor de Atendimento/ Planejamento e Redator. Formado em Publicidade e Propaganda. Amante do Cinema, Quadrinhos e Games.

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *