The Frontier (2016) – Teatro Mal Filmado
16/12/2016
Eduardo Kacic (60 artigos)
0 comentários
Compartilhar

The Frontier (2016) – Teatro Mal Filmado

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Crítica: The Frontier

Difícil encontrar alguma razão para se aventurar por este entediante The Frontier (EUA, 2016), que não seja pela beleza de sua protagonista, a lindíssima Jocelin Donahue (de A Casa do Diabo e Sobrenatural: Capítulo 2), uma das mais belas e infelizmente sub-utilizadas atrizes do cinema norte-americano. Um exemplo de sua sub-utilização é o próprio The Frontier, produção que até cria um cenário interessante para desenrolar um bom suspense. Entretanto, o filme simplesmente não decola.

No filme, ambientado nos anos setenta, Jocelin interpreta Laine, uma jovem mulher que está fugindo da lei. Dirigindo por uma isolada e poeirenta estrada que corta o deserto do Arizona, Laine decide encostar em um decadente hotel & restaurante na beira da estrada. Percebendo que a moça está enrascada, Luanne (a ex-sex symbol Kelly Lynch, de Cocktail e Matador de Aluguel), dona do local, decide acolher a garota, contratando-a como ajudante no restaurante, e liberando um dos quartos para que ela possa dormir. A esperta Laine, entretanto, logo começa a elaborar um esquema, que envolve Luanne, outros hóspedes do local, e uma bolada em dinheiro.

Escrito e dirigido pelo estreante Oren Shai, The Frontier sofre com a falta de um orçamento no mínimo decente. Os valores de produção são paupérrimos, e o único cenário do filme é terrivelmente fake. A produção é praticamente um teatro filmado, já que 90% do filme se passa apenas dentro da lanchonete, onde o pequeno núcleo de elenco da produção se desdobra para elevar o resultado do filme.

De fato, o elenco é a melhor coisa do filme, apesar de contar com nomes pouco conhecidos do público. Entretanto, a trama que deveria segurar a produção, é maçante e repetitiva, e em dados momentos da produção, parece que nada vai acontecer. A tônica do “ladrão que rouba ladrão” predomina na produção, que em alguns breves instantes chega a empolgar um pouco o espectador com algum suspense, mas o clima não se mantém.

Resta ao público (especialmente o masculino), se deleitar com a estonteante beleza de sua sexy protagonista, que sabe como ninguém ser sexy sem ser apelativa. Donahue tem mesmo um ar de quem parece ter saído diretamente dos anos setenta, com seus cabelos ondulados e corpo impecavelmente esbelto, e sua presença funciona perfeitamente aqui.

De resto, pouco sobra para ser aproveitado neste decepcionante The Frontier, e o filme acaba sendo aquela pedida perfeita para quem quer colocar um filminho em uma tarde chuvosa para engatar aquele sono gostoso com a TV ligada. Isso é, se os marmanjos conseguirem dormir com a bela Jocelin Donahue em cena.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
1.5 de 5
No Geral

The Frontier é uma produção que até cria um cenário interessante para desenrolar um bom suspense. Entretanto, o filme simplesmente não decola.

1.5

Fraco
1.5 de 5
Eduardo Kacic

Eduardo Kacic

Eduardo Kacic é roteirista de longa-metragens, crítico de cinema, palestrante e tradutor cinematográfico. Criador do extinto blog Gallo Movies, colaborou também com os blogs Formiga Elétrica e Filmes e Games. É colunista do Mundo Blá, e agora é colaborador Humanoides desde criancinha. É São-Paulino doente, marido apaixonado da Lígia Oliveira e pai do Pedro Ceni. Sim, o sobrenome é em homenagem ao M1TO.

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *