O Tempo de Tomás (2017) – As Armadilhas do Tempo
28/05/2017
Eduardo Kacic (58 artigos)
0 comentários
Compartilhar

O Tempo de Tomás (2017) – As Armadilhas do Tempo

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Há alguns meses, publiquei aqui mesmo no site Humanoides (uma vitrine já conhecida para a divulgação do cinema independente brasileiro), a crítica do curta anterior da jovem cineasta Jackeline Weston, filha do também cineasta e produtor Absair Weston, da produtora Weston Filmes, também conhecida como Seven Moving Pictures. O curta era o delicado Kouka, onde Jackeline usou suas nuances estéticas para contar uma relevante parábola sobre a relação homem/natureza.

Neste O Tempo de Tomás (Brasil, 2017), a diretora continua mostrando excelente timing e uma delicadeza ímpar, ainda que desta vez, Jackeline deixe de lado o lirismo, abordando uma história de maior apelo comercial, e concepção bem mais comum ao grande público.

No curta, o jovem Marcelo Dias interpreta o personagem-título, um garoto que durante uma brincadeira, acaba envolvendo-se em um acidente. No hospital, Tomás acorda um tempo depois, e parece querer colocar as brincadeiras em dia. No entanto, as pessoas ao redor do garoto não parecem querer que Tomás se envolva demais em suas brincadeiras, por motivos que nem o próprio Tomás tem ideia do que sejam.

Utilizando nosso velho amigo (e inimigo), o Tempo, como um elemento metafórico, O Tempo de Tomás transcorre com uma estrutura bastante usual, valorizada pelas ótimas fotografia e direção de arte à cargo do próprio Absair Weston. O roteiro de Jackeline, apesar de sua simplicidade, cumpre seu papel, e nem o fato de sabermos o “plot twist” da produção bem antes da conclusão do curta, o mesmo ainda assim funciona, graças à edição esperta de Matheus Leandro, e da direção sempre eficaz de Jackeline, que mais uma vez, mostra-se uma cineasta de promissor talento e sensibilidade cada vez mais latente. Confesso que os minutos finais do curta me tocaram bastante, e encerram a obra com a dose certa de delicadeza e amargura, exatamente como o efeito da passagem do tempo em nossas vidas.

Mais um trabalho de excelente nível de Jackeline, Absair e da Weston Filmes, O Tempo de Tomás ratifica o caminho certeiro da carreira desta jovem diretora, que mostra-se cada vez mais madura e pronta para atacar desafios maiores. Talvez não tão maiores quanto o próprio tempo, este implacável espaço entre começos e finais de tantas histórias, que assim como a de Tomás, transitam entre suas intransponíveis barreiras, e emocionam quando chegam à constatação de que o tempo é o maior tesouro de que um homem pode dispor, ainda que este tesouro seja inconsumível.

O Tempo de Tomás não tem previsão de lançamento junto ao público, mas deve ser lançado em festivais nos próximos meses.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
3.5 de 5
No Geral

Mais um trabalho de excelente nível de Jackeline, Absair e da Weston Filmes, O Tempo de Tomás ratifica o caminho certeiro da carreira desta jovem diretora, que mostra-se cada vez mais madura e pronta para atacar desafios maiores.

3.5

Regular
3.5 de 5
Eduardo Kacic

Eduardo Kacic

Eduardo Kacic é roteirista de longa-metragens, crítico de cinema, palestrante e tradutor cinematográfico. Criador do extinto blog Gallo Movies, colaborou também com os blogs Formiga Elétrica e Filmes e Games. É colunista do Mundo Blá, e agora é colaborador Humanoides desde criancinha. É São-Paulino doente, marido apaixonado da Lígia Oliveira e pai do Pedro Ceni. Sim, o sobrenome é em homenagem ao M1TO.

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *