“O Nascimento de uma Nação” (1915) – Um marco no desenvolvimento do cinema
23/06/2015
0 comentários
Compartilhar

“O Nascimento de uma Nação” (1915) – Um marco no desenvolvimento do cinema

FacebookTwitterGoogle GmailShare

“O Nascimento de uma Nação” (1915) de D.W. Griffith é até hoje um dos filmes mais controversos. O épico retrata duas famílias de lados opostos durante e logo após a Guerra Civil Americana.

Com mais de 180 minutos de duração, antes de “The Birth of a Nation” (1915), não havia existido nada nesse porte na indústria americana de cinema.

Às inovações anteriores de D.W. Griffith, como cortes intercalados, closes, dissoluções e fusões – aqui neste longa se apresentam mais amadurecidas, juntou-se a integração de relato íntimo e sucessão de eventos históricos reconstruídos: o assassino de Lincoln e grandes massas de soldados em batalha.

Tudo indica que D.W. Griffith não escreveu roteiro para este filme, controlando mentalmente a complexa estrutura da produção.

Contudo, a segunda parte – escravos conquistando a liberdade, o herói funda a Ku Klux Klan e um negro assedia uma virgem branca que se suicida – foi considerada ofensiva racialmente mesmo em 1915, e a Associação Nacional pelo Progresso das Pessoas de Cor (NAACP) fez manifestos e boicotou o filme, considerado, porém, obra-prima do ponto de vista técnico.

Bela e delicada, Lilian Gish (1893-1993) foi a atriz suprema do cinema mudo e heroína ideal de D.W. Griffith: a combinação de pureza virginal e força espiritual atenuava o pesado sentimentalismo vitoriano das sofridas heroínas. Atuou até depois de 90 anos e se destacou em “Vento e Areia” (1928) de Victor Sjöström, e em “O Mensageiro do Diabo” (1955) de Charles Laughton. No último filme, “Baleias de Agosto” (1987), contracenou com Bette Davis.

Créditos:

Produção de Epoch Producing Corporation
Produção de D.W. Griffith
Roteiro de D.W. Griffith, Frank E. Woods, Thomas Dixon Jr. – Baseado nos romances de Dixon “The Clansman” e “The Leopard’s Spots”
Direção de fotografia de G.W. “Billy” Bitzer

Nota: 6,0

 

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Mah

Mah

Professora de inglês, redatora nas horas vagas, cinéfila, bookworm, jukebox ambulante, gamer, chef de cozinha amadora, geek e caçadora de arte underground/independente. DON'T PANIC!

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *