“Terminator Genisys” (2015) – Esqueça tudo que você sabe!
01/07/2015
0 comentários
Compartilhar

“Terminator Genisys” (2015) – Esqueça tudo que você sabe!

FacebookTwitterGoogle GmailShare

A franquia “Exterminador do Futuro” tem mais um título agregado na eterna tentativa de lucrar com o sucesso de Arnold Schwarzenegger nos lendários dois primeiros filmes da trilogia –  porque o 3 e o 4 foram forçação de barra, todos sabem rs

O longa dirigido por Alan Taylor (Thor, Palookaville) trás uma nova história na qual tudo que sabíamos dos heróis John Connor, Kyle Reese e Sarah Connor é mudado. Em “Terminator Genisys”, o passado que vimos no primeiro e segundo filme da saga foi alterado dando espaço para outros conflitos inesperados.

Mais uma vez Sarah precisa salvar o mundo, dando a luz ao seu filho John, para que no futuro ele lidere os rebeldes que lutam contra as máquinas, que adquiriram inteligência ao ponto de aniquilar os humanos para garantir sua supremacia. A Skynet domina tudo no futuro e os heróis tem que voltar no tempo para impedir que isso aconteça antes que seja tarde demais.

Arnold Schwarzenegger atua no papel dele mesmo (hein?), o Exterminador, como sempre brilhantemente interpretado, mesmo com seus 67 anos. O enredo deu, como não podia faltar, várias brechas para que Arnold pudesse soltar seus jargões como “I’ll be back” e outros. Kyle Resse (Jai Courtney) e John Connor (Jason Clarke) são personagens fundamentais para o desenvolvimento da trama e atuam igualmente bem.

Sarah Connor é interpretada por Emilia Clarke, conhecida pela personagem damadora de dragões Daenerys Tagaryen da série Game of Thrones. Sua atuação não teve nada de espetacular, foi pontual e previsível. A donzela indefesa Sarah Connor não existe mais nesse filme e como era de se esperar, Emilia fez um bom trabalho mostrando o lado forte e guerreira da heroína da trama.

O filme corre em ritmo acelerado, contrastando momentos de humor com ação e tensão. O curso dos acontecimentos, embora lineares, é confuso. No início do filme, vemos uma cena que indica um remake do primeiro filme, mas aí vimos que toda a história inicial mudou e aí vem o choque rs. A fotografia conseguiu emular os moldes de câmera dos anos 80, fazendo os fans do primeiro filme vibrarem com a cena inicial idêntica.

Ao decorrer do filme, o expectador pode facilmente ficar confuso com muitas linhas de conflito que o filme abre mas não amarra no final, resultando em grandes furos de roteiro sem justificativas para certos acontecimentos chave para entendermos o que de fato aconteceu. Ou seja, as coisas simplesmente acontecem do nada, ninguém explica e fica por isso mesmo.

“Terminator Genisys” é um filme extremamente pretensioso e tentou atingir os fans dos filmes anteriores e novas audiências, criando um novo começo, por isso “gêneses”. No entanto, a proposta falha, pois, se já ficou confuso para quem conhece, imagina para quem nunca viu, e isso tudo somado ao tema viagem no tempo, com bônus de flashbacks e realidades paralelas, o que já é confuso por si só.

Apesar dos enormes furos de roteiro e histórias mal contadas, o filme consegue entreter e divertir, pois claramente é voltado para o lado mais comercial do que para o lado ficção científica puramente, contendo muitas cenas de ação e MUITOS, efeitos especiais. Destaque para o CGI e maquiagem que conseguiram nos transportar para a época na qual Arnold Schwarzenegger não tinha rugas.

ATENÇÃO: O filme tem pós créditos, por isso fique até o final e veja o teaser para a possível continuação da nova saga.

Pontos positivos:

– imprevisibilidade
– ação, história e humor equilibrados
– boas atuações

Pontos negativos:

– história mal explicada e confusa
– decepciona altas expectativas
– apela para o lado comercial, usando a fama do “Exterminador do Futuro” como desculpa para ganhar dinheiro em uma nova franquia

Nota: 6,0

 

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota Geral
3 de 5
No Geral

Apesar dos enormes furos de roteiro e histórias mal contadas, o filme consegue entreter e divertir, pois claramente é voltado para o lado mais comercial do que para o lado ficção científica puramente, contendo muitas cenas de ação e MUITOS, efeitos especiais. Destaque para o CGI e maquiagem que conseguiram nos transportar para a época na qual Arnold Schwarzenegger não tinha rugas.

3

Regular
3 de 5
Mah

Mah

Professora de inglês, redatora nas horas vagas, cinéfila, bookworm, jukebox ambulante, gamer, chef de cozinha amadora, geek e caçadora de arte underground/independente. DON'T PANIC!

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *