Clinical (2017) – Ainda Não Foi Desta Vez, Netflix
15/02/2017
Eduardo Kacic (60 artigos)
0 comentários
Compartilhar

Clinical (2017) – Ainda Não Foi Desta Vez, Netflix

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Em minha crítica do filme Spectral, publicada em outro site, mencionei a disparidade de qualidade entre as séries e os filmes produzidos originalmente pela hoje gigante do entretenimento, Netflix. Se na produção das séries, a produtora arrebenta com produtos cada vez melhores (esqueça a bomba chamada The OA), na produção de longa-metragens, a Netflix continua a decepcionar o público, e com este suspense Clinical (EUA, 2017), não é diferente.

Seguindo a linha de outras medianas produções Netflix voltadas para o suspense e lançadas no ano passado, como Mercy, dirigido por Chris Sparling, e I Am the Pretty Thing that Lives in the House, dirigido por Oz Perkins, Clinical não oferece nenhuma novidade ao gênero, e muito menos enriquece o cardápio de escolhas da Netflix. Entretanto, Clinical é superior às produções citadas, e merece uma espiada dos fãs mais fervorosos do gênero.

O filme traz a bela Vinessa Shaw (De Olhos Bem Fechados, Viagem Maldita), no papel da psiquiatra Jane Mathis, que após um terrível acontecimento envolvendo uma de suas pacientes, acaba abandonando a profissão. Dois anos depois, quando o trauma começa a passar, Jane aos poucos retoma a profissão, principalmente com a chegada de um novo paciente, o desfigurado Alex (Kevin Rahm, da série Máquina Mortífera), que desesperadamente procura a ajuda da doutora. Aos poucos, tudo parece voltar a caminhar nos trilhos para Jane, até que os fantasmas de seu traumático passado, retornam para atormentá-la.

Escrito e dirigido por Alistair Legrand (do fraco The Diabolical, 2015), Clinical à princípio engana seu espectador, levando-o a acreditar que a produção trata-se na realidade de algo envolvendo os meandros da psiquiatria, do uso indiscriminado de drogas sob prescrição médica e suas consequências. Contudo, a produção logo descarta estas possibilidades mais interessantes para a trama e toma o caminho do suspense comum, que pode ou não conter implicações sobrenaturais em sua narrativa.

O filme, apesar de não ser exatamente previsível, também não surpreende muito, e o tom morno impera ao longo de toda a produção. Ao menos o elenco é esforçado, com destaque para a sumida Vinessa Shaw no papel da atormentada protagonista. Atriz de imensa beleza, Shaw acabou não vingando como atriz de sucesso, mas é sempre agradável vê-la em cena, e aqui não é diferente. A produção também lida de maneira interessante com seu jogo de personagens coadjuvantes, responsáveis por manter as dúvidas e o interesse na cabeça do espectador.

No mais, Clinical é apenas mais uma produção extremamente comum com o selo de qualidade Netflix. Para os fãs do gênero, até vale a sessão, entretanto, para o público mais exigente, o filme ficará devendo bastante.

Clinical está disponível no catálogo da Netflix.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
2.5 de 5
No Geral

No mais, Clinical é apenas mais uma produção extremamente comum com o selo de qualidade Netflix. Para os fãs do gênero, até vale a sessão, entretanto, para o público mais exigente, o filme ficará devendo bastante.

2.5

Justo
2.5 de 5
Eduardo Kacic

Eduardo Kacic

Eduardo Kacic é roteirista de longa-metragens, crítico de cinema, palestrante e tradutor cinematográfico. Criador do extinto blog Gallo Movies, colaborou também com os blogs Formiga Elétrica e Filmes e Games. É colunista do Mundo Blá, e agora é colaborador Humanoides desde criancinha. É São-Paulino doente, marido apaixonado da Lígia Oliveira e pai do Pedro Ceni. Sim, o sobrenome é em homenagem ao M1TO.

Comentários

Sem Comentários Ainda Você pode ser o primeiro a comentar neste post!

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros! Seu endereço de email não será publicado. Seus outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Os campos obrigatórios estão marcados como *