Blink182 : Califórnia (2016) – Mais maduros mas ainda no colégio
04/07/2016
Paulo V. Carillo (11 artigos)
0 comentários
Compartilhar

Blink182 : Califórnia (2016) – Mais maduros mas ainda no colégio

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Depois da saída de Tom DeLonge e sendo substituído por Matt Skiba vocalista e guitarrista do AlKaline Trio, muitos fãs acreditavam no que seria o fim definitivo do Blink 182, mas essa mudança veio para nos mostrar como uma banda pode ressurgir das cinzas, isso já veio se provando com a faixa Bored To Death  que levou a banda de volta ao colégio e a arremessou em um dos seus melhores momentos da carreira diretamente ao topo das paradas da Billboard, coisa que não acontecia há doze anos, a última vez foi com “I Miss You”.

Mas vamos ao que interessa, o novo álbum Califórnia, logo de início temos “Cynical” uma das melhores faixas do álbum, provando que Travis Barker ainda é um dos melhores bateristas da atualidade, a música nos faz lembrar os antigos álbuns da banda, sendo possível ser encaixada em qualquer um deles.

As letras nos levam de volta a escola, com dramas adolescentes, relacionamentos abalados, vontade de sair por ai apenas por sair com os amigos e conflitos pessoais.

Com uma pegada mais madura, mas que ao mesmo tempo grita “Eu quero voltar para o colégio agora”, a banda segue com acordes mais pesados, com uma bateria bem marcada e os vocais do Mark Hoppus estão mais trabalhados se adequando mais a um som pop, sem deixar o punk de lado. Mas nem tudo é só diversão Matt Skiba se esforça para preencher o espaço deixado por Tom DeLonge, e faz isso de forma excelente não se pode negar, porém o problema ainda pode ser encontrado em seus vocais, por ter um tom muito parecido com o do Mark em alguns momentos fica difícil distinguir quem é quem, deixando de lado a marca registrada da banda que era esse passeio pelos vocais diferentes durante as músicas. Algo que pode incomodar e bastante os fãs é o excesso de clichês da música pop, em que é possível notar visivelmente que estão na música apenas para incrementarem e serem usados em apresentações ao vivo em que em coro as pessoas vão cartar os diversos “Nananana” e “Ohohohoh”.

Apesar desses pontos o álbum está incrível, somos apresentados a uma banda renovada e com uma energia que não era vista há muito tempo, apresentando músicas divertidas como Built This Pool e Brohemian Rhapsody, canções mais marcantes como “Bored to Death”, “Kings of the Weekand” e “ She’s Out of Her Mind”, e a baladinha do álbum “Home Is a Lonely Place”.

   E após escutarmos o álbum podemos notar que o Blink ainda tem muita energia para apresentar, e sua essência adolescente está de volta, com Travis Barker tocando incrivelmente bem sua bateria, Mark Hoppus liderando a banda com seus vocais mais trabalhados e suas linhas de baixo marcantes e Matt Skiba que vem mostrando que veio para trazer mais peso para a guitarra, e com o tempo os fãs vão acostumar com ele e aprender amá-lo como um dos outros membros.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
4.5 de 5
No Geral

Um álbum aguardado, que mostrou que uma banda pode ressurgir e se reinventar sem perder suas raízes, com músicas que tem tudo para ficarem em qualquer parada das rádios e com muita simpatia o Blink 182 apresenta seu melhor álbum desde Take of the pants and jackets de 2001 mesmo sem Delonge fazendo parte dessa vez.

4.5

Bom
4.5 de 5
Paulo V. Carillo

Paulo V. Carillo

Publicitário, amante de cinema, livros e super heróis.