Batman – Sangue Ruim (2016): O manto e as consequências de ser o Morcego
04/02/2016
RafaTanaka (733 artigos)
0 comentários
Compartilhar

Batman – Sangue Ruim (2016): O manto e as consequências de ser o Morcego

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Crítica Batman – Sangue Ruim

Há muito tempo faço a seguinte pergunta: Porque as animações da DC são tão superiores em relações aos seus filmes no cinema? Dentre das as respostas, temos roteiristas que sãos os mesmos dos quadrinhos, a maturidade e crescimentos dos personagens, o respeito com os leitores fiéis da editora. Batman: Sangue Ruim (2016) faz jus as respostas e ainda prova que as animações da DC podem nos proporcionar um bom entretenimento.

A animação foi inspirada no arco Batman & Robin, escrito pelo mestre Grant Morrison e com a arte de Frank Quitely, mas diferente do seu quadrinho ele não totalmente sua história, utiliza sua essência e cria algo original com pequenas homenagens. Batman desapareceu ou está morto depois de sua árdua batalha com um inimigo desconhecido enquanto protegia a vida da Batwoman, para não os vilões de Gotham não suspeitarem de nada, Dick Grayson veste o manto de seu tutor e Damian Wayne, seu filho, volta mais uma vez a ser o sideck Robin, ambos decididos a proteger a cidade e a encontrar o paradeiro de Bruce Wayne, Batwoman e Batwing entra nessa jogada.

Diferente de outras animações do Batman, este aqui não se prende no personagem mas sim em sua família, demonstra como seu símbolo é desfeito e ao mesmo precisa ser construído, como seu significado é grandioso para um grupo de pessoas, seu destino foi cruzar a vida das pessoas aos redor, criando conceitos e amadurecendo ideais de combater o crime e trazer justiça em suas mentes, o manto é apenas uma obra para manter a lei criada mas que se não tiver seus ideais não significará nada.

Somos levados a visão que cada um enxerga de Batman, Dick Grayson quer deixar o passado para trás, não quer levar nas costas o motivo pelo qual ele se tornou Asa Noturna,  Damian Wayne ainda é imaturo mas prova que ser Robin é tudo lhe resta e que tem mais de Bruce Wayne do que imagina, Batwoman que desconstruiu todo o símbolo em seu peito, acredita que a morte é resposta para justiça, Batwing cego pela vingança que abraça pelo a tecnologia e os equipamentos criados por seu pai, o mais perdido de todos. Interessante como cada um se junta e construí de uma forma a visão de Wayne, eles tem suprir a necessidade do símbolo mas seu criador é impossível.

Os traços são de extrema qualidade, principalmente nas cenas de ação, podemos ver claramente que seus animadores se inspiraram muito no oriente com os animes e a maneira de apresentar toda a adrenalina, dinâmico e fantástico, o que nos proporção para acreditar e apostar nas animações da DC,  magnitude e tons maduros o que a definem, que terminar por agradar qualquer fã dos personagens.

A animação não se prende apenas aos personagens que conhecemos do universo DC, traz um entendimento de como a família em nossas vidas é foco e a sustentação, percebemos que quando o apoio quebra ou perdido  desmorona parece  ficamos sem caminhos e cercados por indecisões, a ausência de guias. Batman é isso, um membro da família que ao sumir ou se extinguir  criou a comoção e a perda do equilíbrio em toda sua família, Dick e Damian sentiram em seus corações a ausência porém ambos tiveram que seguir em frente e  desempenhar o papel que lhes entregue,  querendo ou não. Porque mais cedo ou mais tarde todos precisamos amadurecer e enfrentar as difíceis decisões que nos cercas nesta vida cheia de contradições.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
4 de 5
No Geral

Batman - Sangue Ruim é mais uma das incríveis animações da DC, que não somente nos proporciona um excelente entretenimento como também apresenta o mais universo cheio de vida dos quadrinhos, que em muitas vezes trazem questões relacionadas a vida real.

4

Bom
4 de 5
RafaTanaka

RafaTanaka

Diretor de Atendimento/ Planejamento e Redator. Formado em Publicidade e Propaganda. Amante do Cinema, Quadrinhos e Games.