Maze Runner: Prova de Fogo (2015) – Da selva de concreto ao deserto pós-apocalíptico
17/09/2015
Lucas Alves (33 artigos)
0 comentários
Compartilhar

Maze Runner: Prova de Fogo (2015) – Da selva de concreto ao deserto pós-apocalíptico

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Dirigido por Wes Ball(The Maze Runner) e com roteiro de T.S.Nowlin, o filme é a mais nova obra baseada na trilogia The Scorch Trials, do autor James Dashner.

Fora da monolítica selva de concreto para um mundo desconhecido, o grupo liderado por Thomas está frente à uma nova situação. A WCKD, empresa que busca o sucesso no treinamento dos integrantes que estavam na Fase 1, os leva para uma instalação desconhecida no meio do deserto, apenas conhecida como Scorch. Segredos dentro da organização fazem com que Thomas e seus amigos descubram sobre o real objetivo da WCKD, que consiste em extrair seu sangue para a cura de uma doença incurável. Isso os leva à fugirem da instalação e sobreviverem em um desértico mundo pós-apocalíptico cheio de ameaças.

O filme é tão intenso quanto o primeiro, e para quem busca um filme para entreter, Prova de Fogo é ótimo e prende o espectador durante toda sua duração. Em comparação ao primeiro filme, o segundo é razoável, devido à falta do fator curiosidade, fortemente presente durante o escape do labirinto. A temática do labirinto agora se situa no medo de encarar a realidade, vivida pelos personagens adolescentes, que encontram pessoas adultas não confiáveis, assim como pessoas que servem de más influências.

Em seus aspectos técnicos, o filme possui efeitos especiais bem executados, com pouquíssimas partes onde fica evidente o uso da computação gráfica, e trilha sonora que acompanha o ritmo do filme. Os cenários são trabalhados de forma ótima, gerando um belo contraste entre a avançada tecnologia da WCKD, o desolado mundo exterior e os rebeldes, fracos tecnologicamente.

O filme estreia nos cinemas brasileiros dia 17 de setembro.

 

 

Confiram o trailer:

 

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Nota
3.5 de 5
No Geral

Apesar de inconsistências em determinados personagens e roteiro. O fato de alguns personagens que perderam a memória souberem subitamente como lidar com eletricidade e com relacionamentos amorosos é uma evidente característica da temática adolescente da obra.

3.5

Regular
3.5 de 5
Lucas Alves

Lucas Alves

Compositor e Escritor amador, gosto um pouco de animes, música e short-stories da internet.