A-ha: O velho e novo synthpop
10/09/2015
David MacLeod (41 artigos)
0 comentários
Compartilhar

A-ha: O velho e novo synthpop

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Outro álbum que fez aniversário por estes dia foi o “Hunting High and Low”, primeiro álbum da banda A-Ha. Formada em Oslo, na Noruega, por Morten Harket, Magne Furuholmen e Pal Waaktaar, o grupo surgiu no esteio do pós- punk, época na qual bandas como Duran Duran, Depeche Mode, entre outras, tiveram seu auge.

Com um estilo mais voltado para o synthpop, um pop mais formatado para as rádios FM, o grupo logo chegou ao sucesso, com um diferencial interessante: apesar de ser basicamente uma boyband com talento, era uma boyband que os garotos também gostavam, já que não ficavam dependendo da beleza de Morten, preferindo colocar a mão na massa e produzir sucessos radiofônicos que seriam tocados anos a fio.

 

Lançado em 07/09/1985, “Hunting High and Low” é quase que um “Greatest Hits” por si só, já que começa com “Take on Me”, emenda com “Train of Thought” e logo chegamos à faixa título, e nem mencionei aos outras 7 faixas, todas ou hits ou músicas com potencial para serem hits, e que acabaram fazendo com que o álbum chegasse ao primeiro lugar na Noruega, segundo lugar no Reino Unido e décimo quinto nos Estados Unidos, e mesmo essa posição acabou levando a banda a abocanhar 8 prêmios no Vídeo Music Awards do ano seguinte. Para marcar a efeméride, está sendo lançada lá fora box com o CD remasterizado, 3 CDs de demos, remixes, versões instrumentais e coisa e tal e um DVD com videoclipes, e enquanto esse acervo não pinta pelos torrents da vida, fiquemos com o álbum original.

Depois de um hiato de 5 anos, época em que colocaram um fim na banda e foram curtir a vida, eis que os noruegueses do A-ha lançam “Cast in Steel”, décimo álbum da banda. Fiéis ao estilo que os consagraram Morten, Pal e Magne parecem ter decidido jogar para a plateia, até mesmo o antigo logo da banda, que não era utilizado desde “Memorial Beach” de 1993, dá as caras, uma tentativa de aproximar esse álbum do que a banda era nos anos 80. Essa atitude tem eco no som atual do grupo, já que todas as faixas têm as características sonoras da banda, o que não é ruim, já que nem sempre diversidade musical significa melhora. Em suma, é um álbum mais voltado para os fãs da banda, nada digno de nota mas ainda assim superior ao dito “pop” que empesteia as rádios FM de hoje em dia…

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Marcadores A-ha, anos 80, synthpop
David MacLeod

David MacLeod

Apenas mais um tijolo na parede. Hater da Marvel e Amante da DC, mas as vezes se atreve ler algo da Casa das Ideais, pois o Stan Lee é o rei.