A experiência supersônica de Pendulum
18/04/2015
0 comentários
Compartilhar

A experiência supersônica de Pendulum

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Pendulum é uma banda australiana de drum and bass formada em 2002. Drum and bass para quem não sabe, é um estilo que mistura música eletrônica, rock, bateria e baixo equalizados e em destaque, sintetizadores, dub, reggae e dubstep.

Pendulum se encaixa no estilo drum and bass mas desde seu primeiro CD, “Hold your Colour” (2005), ousou tocar em outros estilos, como reggae, rock e dubstep, contendo várias participações especiais bem relevantes para a sonoridade conceitual desse debut.

Acredito que este seja meu álbum preferido pela velocidade e melodias ímpares, como você nunca verá em nenhuma outra banda, proporcionando uma viagem supersônica para apreciadores de um bom efeito melódico sincronizado e ritmado aos ouvidos.

Confira a versão ao vivo da minha música preferida deste CD, a “Blood Sugar”:

O segundo álbum, “In Silico” (2008), apresenta uma sonoridade menos dub/reggae e mais dubstep/rock/eletrônica. Mais pesado e com mais vocais, também é um ótimo CD, mostrando uma outra face do Pendulum, que mostra com potência ao que veio no cenário músical. Três músicas desse álbum foram usadas para a trilha sonora do game Need for Speed: Undercover.

Em 2009 a banda lança um CD ao vivo contendo uma super cover de “Master of Puppets” do Metallica mixada com a “Slam” da banda. Confira:

Em 2010, a banda lança o álbum “Immersion”, mais uma vez ousando na criatividade. O CD tem ao todo 12 músicas e se divide a grosso modo em melódicas e eletrônicas, sem perder e claro a pegada sintetizador, bateria, baixo e guitarra que é a marca registrada da banda. No entanto, a guitarra está mais tímida neste álbum.

É sem dúvida diferente e incomparável aos álbuns anteriores, sendo bem menos linear que os álbuns anteriores, transcendendo a ideia de que ao longo da carreira as bandas tendem a perder a qualidade. No caso de Pendulum, ela só aumenta e mostra outras faces.

Minha música preferida desse álbum é a “Witchcraft”, confira o clipe:

Espero que tenham gostado da dica e preparem seus headphones!

 

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Mah

Mah

Professora de inglês, redatora nas horas vagas, cinéfila, bookworm, jukebox ambulante, gamer, chef de cozinha amadora, geek e caçadora de arte underground/independente. DON'T PANIC!