Kyary Pamyu Pamyu, a cantora mais fofa do Japão
09/02/2015
0 comentários
Compartilhar

Kyary Pamyu Pamyu, a cantora mais fofa do Japão

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Provavelmente você já deve ter visto ela no You Tube com o seu clipe viral “PonPonPon”, mas desde então, 3 álbuns já se passaram, turnês mundiais e parece que Kyary chegou mesmo para ficar no cenário do J-Pop japonês. Confira seu single de maior sucesso se você ainda não conhece:

Kyary, como é conhecida nos palcos, ou Kiriko Takemura, seu nome verdadeiro, começou sua carreira como blogueira e modelo para revistas de moda de Harajuku e aos poucos foi se infiltrando no mundo da música.

Para nós do Ocidente, pode parecer estranho uma modelo virar cantora, mas lá eles tem esse costume de contratar “olheiros” em gravadoras a procura de garotinhas “vendíveis” que dariam boa mídia, popularidade e etc. Cantar é o de menos, você aprende. Isso é bem comum no Japão.

E é exatamente o caso de Kyary e muitas outras. A sorte é que Kyary fazia aulas de dança, o que ajudou muito na sua consolidação como artista e acabou virando uma “marca registrada” já que em todos os seus clipes ela vem dançando alguma coreografia fofinha.

A sonoridade das músicas da cantora é bem diferente do euro beat que influenciou o J-Pop japonês por muito tempo. Kyary e sua produção mistura sim muitos elementos eletrônicos, muito auto-tune, mas tudo muito fofinho e dançante. Confira um de seus singles mais ouvidos no Spotify:

Outra marca registrada da cantora é a criatividade que beira o nonsense, com coreografias completamente sem sentido, engraçadas, clipes escalafobéticos e dançarinos homens vestidos de mulheres. Uma vez visto, não dá para ser desvisto, e uma vez ouvido Kyary Pamyu Pamyu, você provavelmente vai ficar com a música na cabeça por um bom tempo. Principalmente “Tsukema Tsukeru”:

Eu considero Kyary Pamyu Pamyu o meu “guilty pleasure”, ou seja, aquela coisa que você gosta, sabe até dançar mas não é uma coisa que você quer que as pessoas descubram, porque é, digamos, no mínimo engraçado. Para fechar com chave de ouro, encerro esse post com a minha preferida, “Invader Invader”:

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Mah

Mah

Professora de inglês, redatora nas horas vagas, cinéfila, bookworm, jukebox ambulante, gamer, chef de cozinha amadora, geek e caçadora de arte underground/independente. DON'T PANIC!