Power Trios: Um é pouco, dois é bom mas três é demais.
24/10/2013
Felipe (23 artigos)
0 comentários
Compartilhar

Power Trios: Um é pouco, dois é bom mas três é demais.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

Cream

Sem mais delongas vamos começar com o melhor Power Trio de todos (na opinião de quem vos fala), Cream, lendário trio formado por Ginger Baker, Jack Bruce, e ele “Jesus” Eric Clapton. Juntos formaram um hibrido de blues, hard rock  e rock psicodélico e a maior sintonia musical entre pessoas de todos os tempos. O trio contava com a extrema habilidade de Clapton na guitarra já mostrada no Yardbirds e combava com voz e baixo, ambos poderosíssimos de Jack Bruce, e a influência do Jazz  de Ginger Baker dando ainda mais refinamento ao trio. Revolucionando a música, não “apenas” com fantásticas músicas, mas junto com Jimi Hendrix popularizou na indústria o pedal wah-wah adereço que ajudava as guitarras de Hendrix e Clapton  inclusive o baixo de Jack Bruce a chegarem a outro patamar.

Normalmente na música e principalmente no rock as batalhas de egos é constante, e o Cream não escapou dessa, Bruce e Baker tinham constantes desentendimentos muitos deles por conta do ego, no caso, era basicamente dois excelentes músico de jazz que não se respeitavam, isso musicalmente falando. Mas supreendentemente não foi só por conta disso que o trio se separou, depois de dois discos lançados que formou a fama da banda como “super grupo”, o terceiro e último álbum, intitulado “Goodbye” veio seguido de criticas sobre a turnê de despedida dizendo que o trio não era mais o mesmo, e que estava em declínio, fato inclusive admitido por Ginger  Baker, então para não estragar o que é belo, o Cream veio a separar em novembro de 1968 com a sensação de dever cumprido eu diria, influenciando muitos músicos  e pessoas mesmos que indiretamente, fazendo  do Cream  uma das melhores bandas da história da música.

http://youtu.be/gH3P2P331vE

 

The Jimi Hendrix Experience

Em 1966 Hendrix e Chas Chandler chegava em solo britânico para realizar uma pequena busca, encontrar uma banda de apoio a altura do guitarrista americano; em meio de algumas audições o  guitarrista Noel Redding foi selecionado a posição de baixista, isso mesmo, o que a história conta é que mesmo Redding ter como especialidade a guitarra, Hendrix gostou tanto da sua atitude no palco que escalou o até então guitarrista ao baixo juntando-se ao baterista Mich Mitchell esse Jimi deixou com seu instrumento de costume aproveitando o Jazz enraizado no seu mais novo baterista. A banda teve o mesmo impacto do Cream, ambos na mesma época e popularizando o Power Trio que viria a ser um mais pra frente  bem mais comum do que na época, mesmo que alguns não sejam tão “poderosos” quanto The Jimi Hendrix Experience foi.

Incialmente Redding e Mitchell eram apenas os músicos que só acompanhariam Hendrix como  um grupo de apoio, mas com tantos shows impressionantes que os dois músicos realizaram com o lendário guitarrista, que se mostrava ainda mais confortável com ao lado da dupla, deixando um pouco de lado os inúmeros problemas que ele encontrava em sua voz, o trio lançou três discos de extremo sucesso e terminou em Junho de 1969, porque terminou? Segundo Hendrix: “Vários problemas” na verdade ele queria testar coisas novas. O trio que elevou ainda mais a fama de Hendrix como o maior guitarrista de todos será para sempre lembrado como um dos melhores Power Trios de todos.

http://youtu.be/pCdAFAfROzI

 

Emerson, Lake e Palmer

Formada Por Keith  Emerson, Greg Lake e Carl Palmer; Emerson, Lake e Palmer é uma clássica banda de rock progressivo dos anos 70 que ficou famosa por trazer em sua canções o sintetizador, uma inovação na época, sendo a primeira banda de rock a trazer esse novo instrumento. Com 11 discos lançados e inúmeros clássicos o trio mostrava elementos únicos em suas melodias, o grupo misturava elementos de hard rock e jazz e juntava música clássica em seu sintetizador; uma nova experimentação na época fato que obviamente  como tudo que é novo  é aproveitado ou repetido de alguma forma no futuro e vira influencia, um exemplo nítido foi algumas experimentações que o Pink Floyd testou com sintetizadores mais tarde apesar de nunca ter sido provado se tal experimentação foi baseada no trio.

Ah algumas curiosidades interessantes cercam o trio inglês, reza a lenda que a banda poderia ter sido chamada Hendrix, Emerson, Lake e Palmer(HELP);  sim você entendeu certo, Jimi Hendrix poderia ter sido um membro da banda, isso muito por conta de Jimi estar meio de “saco cheio” da sua atual banda o The Jimi Hendrix Experience, querendo descobrir novos caminhos na música, contatos foram feitos entre os quatro músicos, o plano basicamente era reunir o Hendrix a banda no Isle of Wigth Festival em 1970, mas infelizmente Jimi faleceu antes fazendo que seu nome no grupo não fosse mais inserido. Em inúmeras idas e vindas o trio continua na ativa, é claro que não no mesmo hype dos anos 70 mas ainda cumprindo seu papel e matando a saudade dos fãs só como uma grande banda pode fazer.

 

Beastie Boys

Os americanos judeus que mais fizeram barulho no mundo da música brincando com o rap rock da forma mais original que jamais tinha sido visto antes deles. The Beastie Boys foi um trio originalmente formado por Michael Diamond, Adam Yauch e Adam Horoitz foram a primeira banda de hip-hop composta por “caras brancos” a realmente a fazer sucesso no inicio dos anos 80 que brincava de misturar o rap, que estava no auge na época, com influências que iam desde o rock tradicional até o punk, que eram o estilo do grupo no começo da carreira. O começo de carreira dos Beasties, como já foi dito, era quase todo voltado ao rock e ao punk e apenas com alguns pequenos flertes com o hip-hop das ruas. Depois de alcançarem uma certa popularidade, o grupo chamou a atenção do Produtor Rick Rubin, que mostrou de vez a direção certa do rap para o trio, que estaria acompanhando o sucesso emergente da época do estilo, junto com RUN DMC, LL COOL J entre outros.

Depois de lançarem o primeiro grande single que ficou no top 10 de vendas na época, foi só dar continuidade a brilhante carreira. E se antes causavam impacto por serem caras brancos se aventurando na cena hip-hip, começaram a chamar agora a atenção por sua excelente música, irreverencia no palco e em seus clássicos clipes, sendo que a expectativa era maior em cada lançamento do trio, que brincava com tudo e com todos em seus clipes, sendo a uma comparação ao Pink Floyd que receberam de alguns críticos satirizada por eles em “Gratitude” (que por sinal é sensacional), e até mesmo uma brincadeira com os filmes policiais dos anos 90 que a banda realizava outro clipe de forma genial em “Sabotage”. Infelizmente o grupo terminou de forma trágica, em 4 de maio de 2012 Adam Yauch morreu por conta de um câncer, não é claro se o grupo irá continuar após a tragédia, mas o que fica claro é que os Beaties Boys sempre serão lembrados por fazer a mistura mais inusitada, e causando o fenômeno de um rockeiro gostar de rap e de um rapper gostar de rock.

 

Paralamas do Sucesso

Com um nome totalmente sem sentido e uns dos melhores ska já apresentados,  Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone conseguiram conquistar inúmeros fãs e admiradores se tornando (na minha opinião) a melhor banda de rock do Brasil. Considerada com uma das bandas da “turma de Brasília” se destacou mostrando um estilo completamente diferente de seus conterrâneos, enquanto o Aborto Elétrico e Capital Inicial mostravam o estilo punk inglês de revolta e protesto e mais tarde o Legião Urbana na melancolia de The Smiths e Joy Division, o Paralamas vinha em um estilo completamente diferente de rock e ska que marcaram para sempre o estilo do trio se diferenciando muito desses outros grupo, mostrando riffs leves fáceis, com um levada que só o ska proporciona mostrando-se o mais original e uma bela opção pra quem queria fugir um pouco da melancolia. O sucesso do grupo claramente não demorou, depois da boa surpresa no Rock In Rio de 84 sendo um dos melhores shows do festival, o trio a partir dai só cresceu em sua carreira, mostrando um bom amadurecimento em suas musicas trazendo elementos MPB com parcerias incríveis com Gilberto Gill e Tim Maia, elevando ainda mais a fama do trio de Brasília que conquistou também um grande reconhecimento fora do Brasil.

Depois do triste acidente de Herbert, a banda voltou em 2002 com uma série de shows lotados muito pela curiosidade de ver o exemplo de superação que Herbert Vianna havia tornado a partir daquele momento.  A banda mostrava um peso maior em suas canções onde nunca havia se visto, regravando clássicos do trio de um jeito bem diferente mas nunca perdendo a qualidade tradicional desse excelente grupo, que se tornou não o melhor Power Trio do Brasil mas também um dos melhores Trios do mundo.

 

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Felipe

Felipe

Desde que me entendo por gente, o cinema e a música sempre foram muito na minha vida, apreciando a todas as melhores bandas do mundo e sempre um bom filme a qualquer hora não faz mal a ninguém.