A Queda de Murdock: Até os heróis caem
19/09/2013
RafaTanaka (733 artigos)
0 comentários
Compartilhar

A Queda de Murdock: Até os heróis caem

FacebookTwitterGoogle GmailShare

A descoberta de um Herói

 

Meu primeiro contato com o Demolidor foi com seis anos de idade  no excelente desenho do Homem-Aranha: A série animada que foi exibida entre os anos de 1994 a 1998 pela Rede Globo (saudades daquela época, realmente eu estou ficando velho) estava na casa de um grande amigo, ambos estávamos assistindo o desenho, naquele episódio em particular Peter Parker era acusado de ato de terrorismo a pátria pelo qual não havia cometido, para defendê-lo ninguém menos do que Matthew Murdock, durante o dia um simples advogado que usava as leis para punir os criminosos e a noite um justiceiro do crime que usava as próprias mãos para lutar onde a lei não era inacessível, que auto se denominava  o Demolidor.

O que mais me chocou na época foi o fato dele ser cego, mas nada que o impedia de realizar seus atos heroicos e realizá-los sem nenhum medo, o que me fez anos mais tarde com ajuda internet a conhecer à profundamente sua história, já que no tempo que o conheci o que tinha ao meu alcance era pouco e limitava somente em revistas especializadas na época, ele era um personagem marcado por uma história de alegria e tristeza.

Bons Tempos

 

Crises na Editora

Perto do fim dos anos 70, o  personagem Demolidor passava por um momento caótico na editora Marvel, seus quadrinhos não vendiam e acabaram por si a não ter o retorno esperado, mesmo o herói sendo cego e enfrentando seus dilemas, suas histórias foram prejudicadas pelo fato de Murdock não ter uma vida social, devido a sua deficiência, o personagem acabou por ter papéis de mínima importância e até mesmo participações secundária nos quadrinhos de outros heróis.

No início dos anos 80, o cancelamento de seus quadrinhos era iminente, eis que surge um jovem desenhista e escritor até então desconhecido por todos chamado Frank Miller (acho que o conheço de algum lugar), que seria o responsável para dar uma nova vida as histórias do Demolidor ou melhor dizendo uma repaginada, ele transformou o fracasso em uma referência nos quadrinhos, criou Elektra, amor eterno de Murdock, mas a matou com as ações de Mercenário, vilão cujo ganhou maior destaque nas mãos do próprio Miller, o que acabou por trazer um maior significado para Demolidor, tornando-o  mais humano, mas isto era apenas o começo de grandes mudanças e mais estava por vir.

Mestre Frank Miller

 

A Era de Escuridão

O Sofrimento

Dois anos depois de sua saída Marvel, Frank Miller retorna novamente para chocar o mundo de Demolidor em A Queda de Murdock. em uma história inesquecível, ao ponto de prender do começo ao fim por sua tensão e brilhantismo, ainda mais com os desenhos do novato, mas excelente David Mazzuchelli.

O arco tem início com Karen Page, ex-namorada de Murdock e viciada em drogas, ela acaba por vender sua identidade secreta por uma picada de heroína, a um traficante, que a revende ao Rei do Crime.  A partir disso a vida de nosso personagem é destruída de uma forma surpreende, onde foco não é destruir somente ele como herói, mas também como pessoa, ao ponto de  perder do seu emprego e seu escritório deixando sem exercer sua função como advogado, contas e dívidas aparecem, e no fim até sua casa é explodida. A melhor maneira de acabar com uma pessoa é destruir tudo o que ela levou anos construir, privando de seu sucesso, e por fim sua autoestima estará tão baixa que se destruirá sozinha, da pior maneira possível.

Acabado e sem rumo, ele encontra refúgio em uma igreja, onde recebe carinho e atenção de uma freira, ele encontra no fundo do poço ou prefiro na dizer na escuridão uma forma para se reerguer, uma forma nova e matura para lutar, e por fim o ressurgimento à luz é um dos mais memoráveis. Vale ressaltar que o título original do arco é Born Again (Renascido), agora você entende por que ele renasce da da Queda.

 

 

Conclusão

Frank Miller cria um dos melhores arcos já feito para o Demolidor, com um enredo brilhante e inesquecível que vai por alcançar a perfeição, e David Mazzuchelli em sua arte transparece a realidade em seus traços nos fazendo par das situações e da escuridão em volta de Murdock.

A Queda de Murdock é uma história que deverá levar para sua própria vida, pois algumas vezes precisamos passar tempos difíceis e nesses momentos que acabamos por perder a fé em nós, não digo de religião, mas como pessoa, de acreditar que somos possíveis de realizar grandes coisas, perdemos assim nosso valor por total, nessa escuridão que passamos a repensar sobre a vida, nossos acertos e nossas derrotas, separar o que nos faz bem e do que merece ser esquecido, achar um novo sentido, passarmos pela redenção e pela total purificação, para esquecer tudo o que fomos,  para moldarmos o que iremos se tornar e assim renascer por completo, para estarmos maduros e preparado mais uma vez para a luta diária de nossas vidas. Todas as pessoas tendem há cair um dia na vida, mas o verdadeiro herói é aquele que acha a força para se reerguer como um guerreiro.  Nunca desista, pois um homem sem esperança é um Homem Sem Medo.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

RafaTanaka

RafaTanaka

Diretor de Atendimento/ Planejamento e Redator. Formado em Publicidade e Propaganda. Amante do Cinema, Quadrinhos e Games.