The Vaccines, Come Of Age?
10/07/2013
Felipe (23 artigos)
0 comentários
Compartilhar

The Vaccines, Come Of Age?

FacebookTwitterGoogle GmailShare

De uns anos para cá com o tal do “indie rock”, poucas bandas realmente se destacam emplacando hits e conquistando o amor incondicional dos fãs do rock do anos 2000, muitas surgem com rifs grudentos,  guitarras frenéticas e refrãos fáceis, muitas são legais e tudo mas não garantem a presença em sua playlist,  sendo que já se tem o melhor do estilo  como Arctic Mokeys, The Strokes (pelo menos era) Block Party entre outros. Mas em meio a tudo isso surge o The Vaccines, não que há nenhuma essência especial nos ingleses que os torna revolucionários ou coisa parecida, mas das ultimas novas bandas que alcançaram uma boa recepção da critica e publico foi a que mais me chamou atenção.

Tem algo muito interessante com a banda que alcançou os primeiros lugares nas paradas britânicas em 2012, ela agrada os ouvidos de qualquer  fã de rock,  mesmo que a pessoa conheça um ou dois hits dos britânicos o sentimento que se tem que está realmente escutando um ótima banda(sensação correta por sinal). Isso é muito pela simplicidade das canções  que muitas delas não passam de dois minutos no primeiro disco, forçando  consequentemente que o botão do replay seja usado várias e várias vezes.

O “What Did You Expect From The Vaccines?” apresentou uma banda simples e fácil de escutar com os hits “If You Wanna”, “Wolf Pack” e “Norgaard” que deixa evidente que as influencias estão muito no punk, especialmente os Ramones. Mas não é só de simplicidade que vive os britanicos, ha faixas que chamam muita a atenção especialmente pela grandiosidade que geram uma grata surpresa, “Wetsuit” e “All In White”  que mesmo com as letras diferindo uma das outras são duas musicas desaceleram, mesmo que por um momento, um pouco a velocidade do disco de forma incrível, trazendo nessas duas faixas aquele tipo de musica que você se entrega totalmente a ela conquistando um pouco mais a minha admiração só de gerar esse sentimento.

Esperando o máximo de qualidade no segundo trabalho o “Come of Age” veio, com ele o titulo dizendo que a banda amadureceu em relação ao primeiro disco, de certa forma sim,  apesar de não haver nada de gritante entre a sonoridade entre um trabalho e outro mantendo a mesma formula da fácil e rápida em “Bad Mood” e “Ghost Town” mas também se especializando na forma de fazer hits com “Teenage Icon” onde mais uma vez  o Punk se mostra de forma sutil se é que isso é possível. Contudo as letras justificam um pouco o amadurecimento anunciado no titulo do álbum, isso acontece com a bem trabalhada “No Hope” que é a “barulheira” mais gostosa de se ouvir da banda.

Com musica justa, shows energéticos, guitarras fortes e visual rock n roll, o Vaccines se destaca misturando letras “indie” com um “pé punk¨, mistura muito agradável de se ver.

FacebookTwitterGoogle GmailShare

comentários

Felipe

Felipe

Desde que me entendo por gente, o cinema e a música sempre foram muito na minha vida, apreciando a todas as melhores bandas do mundo e sempre um bom filme a qualquer hora não faz mal a ninguém.