Posts de Eduardo Kacic

Há alguns meses aqui mesmo no Humanoides, esta verdadeira vitrine para o intrépido cinema independente nacional, falei um pouco sobre o trabalho do talentoso e prolífico cineasta pernambucano Lula Magalhães, em minha crítica de seu curta-metragem Mandala Night Club, rodado

O jovem cineasta sul-africano Neill Blomkamp surgiu como a nova esperança da ficção-científica. Em 2009, sua estreia na direção Distrito 9 (District 9), foi aclamada por público e crítica (o filme é um dos meus favoritos pessoais), e o resultado

Há alguns meses, publiquei aqui mesmo no site Humanoides (uma vitrine já conhecida para a divulgação do cinema independente brasileiro), a crítica do curta anterior da jovem cineasta Jackeline Weston, filha do também cineasta e produtor Absair Weston, da produtora

Crítica: Pieles (Skins) “O mundo é horrível, o ser humano é horrível… Mas não podemos fugir disto. Porque nós somos o horror.” Esta sentença, pronunciada por um dos personagens deste bizarro Pieles (Skins, Espanha, 2017), dá a tônica desta incomum

Discreto e delicado, o curta Kouka (Brasil, 2017), nova produção da Weston Filmes, também conhecida como Seven Moving Pictures, uma pequena mas prolífica produtora nacional, capitaneada pelo cineasta Absair Weston, marca a terceira incursão da jovem diretora Jackeline Weston, que

Crítica: The Devil’s Candy (2015) Exibido no TIFF, o Festival de Toronto no final de 2015, ao lado de pérolas do gênero como o pesado Baskin (veja a crítica aqui no Humanoides) e da antologia Southbound da Magnet Releasing, este

Crítica: VooDoo (2017) No ano passado, tive a oportunidade de assistir ao horror de origem turca Baskin (confira a crítica aqui mesmo no Humanoides), filme que mostra a viagem literal de um grupo de policiais ao inferno. Apesar do resultado

Em minha crítica do filme Spectral, publicada em outro site, mencionei a disparidade de qualidade entre as séries e os filmes produzidos originalmente pela hoje gigante do entretenimento, Netflix. Se na produção das séries, a produtora arrebenta com produtos cada

Crítica: John Wick: Um Novo Dia Para Matar (John Wick: Chapter 2) Quando lançado em 2014, uma pequena gema da ação capturou imediatamente minha atenção e também a de vários fãs do gênero. O filme era De Volta ao Jogo

Crítica: A Seita Misteriosa (Sound of My Voice) No mesmo ano em que surgiu com o ótimo A Outra Terra, a atriz e roteirista Brit Marling escreveu e atuou também neste A Seita Misteriosa (Sound of My Voice, EUA, 2011),